CAPITAL, O - CRITICA DA ECONOMIA POLITICA - LIVRO 1, VOLUME 2

Mais informações

De: R$ 64,90 Por: R$ 55,17 Em 1x de: R$ 55,17

Comprar
Disponibilidade: Produto sob encomenda, disponível em até 6 dias úteis após a confirmação de pagamento, mais o tempo da transportadora
Consulte aqui o valor do frete e prazo de entrega do produto
Opção de parcelamento via cartão de crédito
  • 1x de R$ 55,17 sem juros
Avalie:

Ficha técnica

Código de barras:
9788520004685
Dimensões:
23.00cm x 16.00cm x 2.00cm
Edição:
32
Editora:
EJO - JOSE OLYMPIO (RECORD)
Idioma:
Português
ISBN:
8520004687
ISBN13:
9788520004685
Número de páginas:
364
Peso:
570 gramas
Encadernação:
Brochura

Sinopse

A editora Civilização Brasileira volta a editar a tradução de O Capital feita diretamente do original alemão pelo economista Reginaldo SantAnna. Trata-se, certamente, da obra mais importante do grande pensador, a cuja redação ele dedicou a maior parte de sua vida. É neste livro que, com plena maturidade intelectual, Marx aprofunda e sistematiza a brilhante análise crítica, já presente no Manifesto, das formas de sociabilidade que caracterizam o mundo moderno. Enquanto o primeiro livro de O Capital era dedicado ao processo de produção capitalista, o segundo publicado em 1885, dois anos após a morte de Marx trata do processo de circulação do capital. A variação do subtítulo pode fazer supor a existência de uma solução de continuidade da matéria tratada. Mas isso não ocorre para Marx, produção e consumo são apenas determinações diversas de uma totalidade concreta o sistema capitalista em seu conjunto. Não é à toa que Marx definia seu livro como um todo artístico. Não só na passagem da produção à circulação, mas ao longo de todo O CAPITAL, pode-se observar uma explicitação da realidade em seus mecanismos mais íntimos e necessários, e não uma soma de opiniões arbitrárias e subjetivas. A observação de Georg Lukács a ortodoxia em matéria de marxismo diz respeito somente ao método indica como O Capital deve ser relido hoje buscando-se nele não a veracidade positivista dessa ou daquela afirmação, mas o sentido profundo do método crítico-dialético com o qual opera. Fazendo isso, o leitor perceberá que O Capital continua a fornecer o mais eficiente instrumento para dissipar o véu fetichista com que os atuais teóricos do neoliberalismo e da pós-modernidade pretendem encobrir as novas e dramáticas contradições do capitalismo globalizado.